quinta-feira, setembro 03, 2020

O acabamento em um desenho ou em uma página de Quadrinhos pode fazer grande diferença, principalmente se a intenção seja a de conferir um as...

03/09/2020 - Retículas

Nenhum comentário:
 

O acabamento em um desenho ou em uma página de Quadrinhos pode fazer grande diferença, principalmente se a intenção seja a de conferir um aspecto mais profissional ao trabalho. Usar de elementos gráficos sempre acaba somando bastante à arte e demonstra um cuidado a mais que certamente será percebido. Temos um leque de acabamentos amplamente usados em todas as modalidades de desenhos: como as hachuras, os padrões, linhas de ação, etc. E outras tantas artimanhas que, com alguma atenção, identificamos como recorrentes nas Artes Gráficas. Neste post, falarei de minhas experiências com as retículas
Desenho de meu sketchbook com aplicação de manual retícula.
Minhas primeiras práticas foram com os transfers em que se fricciona o verso das cartelas. Usei temas florais, linhas horizontais, letterings e também as retículas. Já naquelas oportunidades, havia escassez de acervos, com mínimas variedades de escolhas. Ainda assim, o que tive acesso me trouxe resultados satisfatórios. E desde que entrei em contato com os quadrinhos japoneses (ricos em retículas), apaixonei-me com todos os efeitos possíveis através do recurso.
 
Há um ano, ou algo assim, comprei uma cartela de retículas japonesas: a I-C Screen E120. Peguei-a para tentar coisas diferentes e sentir como era o uso. Diferente das anteriores, essa funciona como uma película adesiva em que se recorta a área de aplicação sobre o papel usando a lâmina de um estilete. É uma tarefa difícil. Até entendi por que há profissionais dos quadrinhos cuja tarefa é fazer, exclusivamente, essa etapa da finalização. A experiência foi válida... para saber também que o investimento não compensa tanto.
Cartela A4 de retículas japonesas. Não rendem muito.
Com as possibilidades das ferramentas digitais, meu interesse acentuou ainda mais, já que era possível criar nelas screen tones de maneiras diversas e com maior facilidade. A primeira vez que fiz, foi no Corel Draw. Era só recortar a área com a ferramenta Bezier, preencher com escalas de cinzas e configurar a impressão. Mas era só para a impressão mesmo, o efeito não surgia na tela do monitor. Enfim, algo já ultrapassado. Estudando mais, passei ao uso do Color Halftone - ou Meio Tom de Cores - nos filtros do Photoshop. A utilização do recurso não é complicada de se compreender.
Fazendo o Color Halftone dar bons resultados.
Em um documento no modo Greyscale (Tons de Cinzas), aplica-se em um layer em alfa a seleção da área em cinza ou com a gradiêncica (partindo do cinza ou preto à transparência). E então, é usar o filtro assim:

O que está entre parênteses é a versão em português.

Filters(filtro)/Pixelate(Pixelização)/Color Halftone (Meio-Tom em Cores)

"Max Radius" (Raio Máximo): Tamanho dos pontos [de 4 a 127]
"Canal 1": ângulo da tela em graus [de 0º a 360º]
"Canal 2": ângulo da tela em graus [de 0º a 360º]
"Canal 3": ângulo da tela em graus [de 0º a 360º]
"Canal 4": ângulo da tela em graus [de 0º a 360º]

Para que a trama dos pontos seja uniforme, todos os canais devem ter o valor de 45º.

Meu amigo Evaristo Ramos escavou um Action bastante útil que já faz o trabalho todo com um simples clique. O endereço para baixar e entender o como funciona é esse:

Embora seja positivo, a meu ver, o uso das retículas deve ser medido para não fazer com que ele acabe sobrepondo a arte inteira. Exceto isso, espero que o leitor use à vontade em suas peças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário