quinta-feira, janeiro 16, 2020

Antes de povoarem os núcleos da webcomic Ato Falho - hoje em andamento -, cada um dos meus personagens já protagonizou suas próprias página...

Antes de povoarem os núcleos da webcomic Ato Falho - hoje em andamento -, cada um dos meus personagens já protagonizou suas próprias páginas no antigo blog Asmopleon Danteredun. Eram historietas abertas e contínuas, que pecavam por não desempenharem um enredo ou uma trama maior. Não que fossem feitas de qualquer jeito ou aleatoriamente, apenas lhes faltavam linearidades e um pouco mais de empenho de seu autor.

Alfredo (o palhaço) e o Senhor Nestor (o dono do Circo Estrelato) viviam, lado a lado, os bastidores circenses na HQ "Picadeiro Mambembe", onde pairava um marasmo sem fim, uma rotina de poucos acontecimentos, de neuroses, de tédio... O velho Nestor desejava conduzir seus negócios rumo ao sucesso em tempos em que o picadeiro perdera a atenção do público para os videogames e shoppings, enquanto Alfredo se prestava a ser um conselheiro determinado a trazer ao chão os pés de seu chefe.

Senhor Nestor descobrindo esse inovador meio de comunicação.

segunda-feira, janeiro 06, 2020

Retomei um projeto iniciado na segunda metade do ano passado, o qual fora colocado de lado durante alguns meses por questões de prioridades...

Retomei um projeto iniciado na segunda metade do ano passado, o qual fora colocado de lado durante alguns meses por questões de prioridades. Intitulado "Cenobites", o desafio era o de realizar uma sequência de personagens inspirada na memorável obra "Hellraiser - Renascido do Inferno" do escritor e cineasta inglês Clive Barker.

A franquia Hellraiser - presente nos cinemas e no mercado de homevideo - foi cultuada nos anos 1990 pelos apreciadores do Terror em torno do mundo. O alcance foi tal que o seu universo expandiu-se também à Literatura, HQs e à Música. A obra originária trouxe à imaginação popular uma das criações mais brilhantes do universo do Terror: o Pinhead, com seus inúmeros pregos cravados em seu do crânio.

A estética Hellraiser já me era bastante familiar e comecei a desenhar apenas acessando minhas memórias, sem a necessidade de buscas por maiores referências. As caracterizações foram concebidas segundo a minha imaginação era acionada e elaboradas após alguns esboços preliminares. Trabalhei em nove criaturas com cuidados aos cortes do vestuário e mutilações. Todos os modelos resultaram de técnica digital combinadas a uma paleta de cores menor, variando em tons de cinzas para simular níveis de sombras.

Você nos chamou? Então terá que provar das angústias do inferno.