sexta-feira, dezembro 14, 2018

O post anterior me fez lembrar de minha adolescência, quando eu também pirava em jogos de luta nos fliperamas. Recentemente, tive a ideia de...

O post anterior me fez lembrar de minha adolescência, quando eu também pirava em jogos de luta nos fliperamas. Recentemente, tive a ideia de criar um time de lutadores, em uma série de desenhos como os daqueles tempos.



quinta-feira, dezembro 13, 2018

Como, por assim dizer, ainda nos encontramos próximos à fundação do blog, dada a sua (re)abertura a somente dois posts deste que escrevo...


Como, por assim dizer, ainda nos encontramos próximos à fundação do blog, dada a sua (re)abertura a somente dois posts deste que escrevo agora, sinto que não conseguiria prosseguir sem antes falar um pouco a respeito de minhas influências e de como decidi ser quadrinista.

Quem já deu uma olhada no meu Influence Map pode ter pensado que uso muitas referências e me inspiro em artistas bastante diversos. Para ser sincero, coloquei ali alguns exemplos que admiro, mas que não seriam exatamente minhas inspirações. Alguns conheço menos do que deveria.

Em minhas primeiras tentativas nas HQs, fui propelido não somente por quadrinhos, mas também pelo cinema e revistas de computadores. A Crash Magazine tratava de jogos para computadores pessoais do início dos anos 90, e era uma publicação que trazia muitas ilustrações de jogos. Com ela, agucei o olhar para a arte do desenho, e também passei a arriscar minhas próprias produções.